A architectura religiosa na Edade Média by Augusto Fuschini

A architectura religiosa na Edade Média

byAugusto Fuschini

Kobo ebook | July 29, 2009

Pricing and Purchase Info

$3.99

Prices and offers may vary in store

Available for download

Not available in stores

about

ORIGENS DA ARCHITECTURA CHRISTÃ CAPITULO PRIMEIRO A LUCTA ENTRE O PAGANISMO E O CHRISTIANISMO O antigo espirito classico, que produzira as magnificas civilisações da Grecia e de Roma, esmorecia, como esmagado sob o peso da sua propria e grandiosa obra, quando dois elementos novos, talvez regulados pela lei suprema da conservação e do perpetuo rejuvenescimento da Humanidade, se manifestaram com profundo vigor e intensidade no seio das velhas sociedades decadentes: o Christianismo e a invasão dos barbaros. Assim, os factos historicos, as idéas e os sentimentos humanos, as instituições sociaes, a moral, a politica e a arte, se explicam pela acção reciproca e poderosa dos tres principios, o classico, o christão e o barbaro, que são as causas efficientes da edade-media e da civilisação moderna. Já no tempo de Cesar e de Augusto, os primeiros Imperadores, cuja grandeza de genio é incontestavel, a sociedade romana entrára em plena decadencia. Os vicios da antiga Republica, que os bons cidadãos e os philosophos contemporaneos não haviam podido expungir, cavaram-lhe a ruina. O Imperio correspondia, sem duvida, ás necessidades de corrigir ardentes ambições em continuas luctas, que produzem sempre a anarchia politica, e de imprimir acção energica e centralisadora á enorme expansão das conquistas; mas o Imperio trazia na propria essencia dois vicios terriveis e inevitaveis: o despotismo, a extincção completa das ultimas liberdades publicas, e a constituição militar, como poder especial independente dos cidadãos, o militarismo segundo a expressão moderna. Na agonia da Republica, Catão de Utica previra o desastre. Luctara para o evitar, chegando até a apontar o homem, Julio Cesar, que devia destruir o quasi phantasma da antiga liberdade romana. O futuro Dictador, ainda muito novo, espreitava e preparava, entre os prazeres dos ricos e dos poderosos da Roma republicana, pelo amor das mulheres, pela elegancia, pelos costumes faceis e até pela lisonja, a origem da grandeza, que mais tarde encontrou no proconsulado das Gallias. Assim tambem, Napoleão, frequentando os salões politicos e litterarios do Directorio republicano, conseguiu ser nomeado general em chefe dos exercitos da Italia. Singular coincidencia entre dois homens de caracter tão parecido, dois genios innegavelmente; um procura nas Gallias, a França, outro na Italia, a Republica Romana, as origens de futuros imperios! Durante o Imperio, pelo menos nos primeiros tempos, as ambições foram enfreadas pela existencia do poder perpetuo da dictadura; mas, se algumas das antigas instituições conservaram os nomes, foram-lhes tiradas a pouco e pouco as ultimas funcções. Os fracos lampejos da liberdade republicana em breve se extinguiram na escuridão profunda do mais feroz despotismo, até hoje conhecido. O Cesar era dictador e pontifice-maximo, o soberano absoluto dos povos e o chefe espiritual das consciencias. Tambem é certo que a energia da centralisação politica e administrativa do Imperio facilitou o espirito conquistador e a conservação das conquistas, mais do que o podia fazer a esphacelada Republica; mas, como consequencia logica, estas mesmas condições favoraveis prepararam o militarismo. Os exercitos nacionaes da Republica tornaram-se as legiões cesarianas do Imperio, que lhes pagava e as dirigia, transformando-se a pouco e pouco em guardas do Imperador. Era natural e logica esta confusão entre o homem e o principio. A nação, o povo, a liberdade, os direitos dos cidadãos, tudo desapparecera encarnado na pessoa de um Cesar deificado. Os resultados eram fataes. Tiberio creou as guardas pretorianas para defeza da pessoa do Imperador. Sentindo a sua força, os pretores imperiaes completaram depois logicamente a doutrina e as guardas pretorianas começaram a escolher os Cesares. O despotismo e a centralisação do Imperio accentuaram, assim, as causas da decadencia da sociedade romana, dando-lhe, apenas, por algum tempo um falso aspecto de força e de grandeza. Nos ultimos annos da Republica er
Title:A architectura religiosa na Edade MédiaFormat:Kobo ebookPublished:July 29, 2009Publisher:Library of Alexandria

The following ISBNs are associated with this title:

ISBN:9990009196013

Reviews