As Veredas Onde O Meu Olhar Se Perdeu by Marcos Avelino Martins

As Veredas Onde O Meu Olhar Se Perdeu

byMarcos Avelino Martins

Kobo ebook | December 19, 2016

Pricing and Purchase Info

$8.09 online 
$8.99 list price save 10%

Prices and offers may vary in store

Available for download

Not available in stores

about

Especialista em poemas românticos, líricos ou suavemente eróticos, sua poesia encanta pela fluência de rimas raras e poderosas, que levam o leitor a navegar por Universos nunca antes visitados, atrás de anjos, fadas, sereias, bruxas, feiticeiras, ciganas ou princesas, mergulhando no fundo do mar ou do olhar de suas personagens exóticas, em encontros com deuses e deusas, ou em busca de amores impossíveis, sonhos inesperados, reconciliações improváveis ou simplesmente filosofando sobre Poesia, situações e fatos da vida, em inesquecíveis histórias de amor, devaneando com mulheres lindas, sedutoras e inesquecíveis, no mundo mágico criado pela imaginação do autor, com seu estilo romântico e envolvente, que emociona e enleva leitores de qualquer idade. Leitura imprescindível para os amantes da Poesia. Alguns trechos dos poemas deste livro: “Com meus olhos percorro / Esse seu corpo infinito, / Cheio de armadilhas, / Onde me encontro ou morro, / Nesse seu corpo bendito, / A percorrer essas trilhas / Onde me leva o seu olhar... / Algum dia, talvez eu seja seu, / Quando seus olhos perceberem os meus, / Antes que eles virem tristes museus! / E nesse dia, em que o rio chegar ao mar, / Entre cetins e sedas, / Ousarei percorrer as veredas / Onde o meu olhar se perdeu...” “Quando você sorriu para mim, / Aconteceu nesse instante um milagre: / Minha infame solidão chegou ao fim, / Converteu-se em vinho o meu vinagre, / Eu que estava morto, voltei a me apaixonar, / O universo deixou de ser um lugar triste, / Eu que estava cego, voltei a enxergar / Toda a beleza que no mundo existe… / Meu olhar apagado voltou a ser ardoroso, / O calor de seu olhar encheu-me de coisas boas, / Como pode um sorriso ser tão poderoso, / A ponto de ressuscitar pessoas?” “Não me Doyle desse jeito assanhado, / Para que logo depois me Descartes / Após mais um Balzac de nervos, / Deixando-me sem Eyre nem beira… / Entre duas baforadas em teu ciBarros, / Surge Eça bipolaridade que me assusta, / Esperando que venhas com um Machado / Ceifar desse mundo minha pobre Pessoa! / Será que algum dia terás Amado alguém, / Com esse teu coração Azevedo, / Que não guarda resquício dos Anjos, / E não me deixa nenhuma Brecht?” “Só vim lhe dizer adeus, e depois desaparecerei. / Serei apenas um personagem em suas histórias, / Que amava a rainha, mas não era seu rei, / Uma página em branco em seu caderno de memórias, / Alguém que partiu e você não sabe para onde, / Para ser triste e solitário como um monge, / E que, a partir de hoje, de você se esconde, / Um eco perdido que ressoa bem longe, / Alguém que você mal conheceu, / Porque não quis e nem teve interesse, / Mas que por algum tempo quase foi seu, / Mas foi um fogo que você não deixou que ardesse, / Uma lágrima furtiva que se perdeu na chuva, / A lembrança de um beijo que você nunca deu, / Um floco de neve derretido em sua luva, / Uma folha de um livro que você nunca leu...” “Mas o tempo passou, inclemente, / E nossas ilusões, converteu em pó, / E aquele amor tão puro e ardente / Desmoronou, como um dominó! / E de ti, só me restou a saudade, / Que às vezes, chega e me arrebenta, / Daquele meu primeiro amor de verdade, / Que meus sonhos sempre frequenta!” “Nesse jogo de corpos estranho, / Em que nunca deveriam haver / Vencedores nem vencidos, / Eu sempre te deixo vencer...” “Segurei bem forte a sua mão, tão quente, / E nossos olhos trocaram uma interrogação: / Ficaríamos juntos, depois do último poente, / Ou perderíamos nosso amor para a Escuridão? / Naquele prometido Dia do Juízo Final, / Deus se mostrou afinal aos ateus, / Aos que o renegaram e cederam ao Mal, / Rejeitando a glória de serem filhos Seus… / Depois de todo aquele horror, a Natureza, / Nesse planeta azul, tão lindo e traído, / Ressurgiria novamente, com toda a sua beleza, / Mostrando sua força a quem houvesse sobrevivido! / E, em meio a todos aqueles destroços, / De uma Terra mais uma vez renascida, / Beijei você, que tremia até os ossos, / Sabendo que iria amá-la até o fim desta vida...” “Leva-me por tuas sendas, / Deixa-me seguir os teus passos, / Até que um dia te rendas, / E te entregues em meus braços… / Ensinarei até que aprendas / A gostares de beijos e amassos, / A cerrares teus olhos com vendas, / Até tua resistência cair em pedaços!” “Esta deve ser a minha sina, / Lembrar-me para sempre de você, / Nessa saudade que me domina, / Na lágrima que escorre e ninguém vê… / Seu DNA ficou gravado / Em minhas artérias e veias, / E mesmo sem você ao meu lado, / Minhas memórias de você estão cheias! / Em meu livro de cabeceira, / Cada uma das histórias é sua, / E meu papel de parede / Tem a sua imagem linda e nua...” “Mas sei que isto é impossível, / São apenas algumas loucas fantasias / Que esse teu olhar me provoca, / Quando na noite quente me sacias, / Quando teu corpo me toca, / Devassamente a me acariciar, / E com essas mãos tão macias, / O teu amor me invoca / A dentro de teu corpo sonhar...” “Acendeu-me o fio da suspeita, enfim, / Ao me olhares com esse olhar de pedra, / Onde há muito tempo já não medra / Mais nenhum sentimento por mim… / Ando me equilibrando por muitos anos / Nesse tênue fio de navalha, / Onde se debatem tantos desenganos / Nesse amor tornado campo de batalha...” “E depois dessa noite extraordinária, / Nós dois então seremos um só, / Como se fôssemos uma estrela binária, / Amando-nos até o Universo virar pó...” “Encontrei em um antigo calendário / A foto da mulher de meus sonhos, / Com olhos de um brilho extraordinário, / E me apaixonei por seus olhos risonhos… / Naqueles olhos azuis, da cor do mar, / Naufraguei de forma inevitável, / E agora vivo com ela a sonhar, / Num devaneio imenso e imensurável… / Mas não consegui descobrir o seu nome, / Em qual cidade ela mora, e com quem, / Tento apagar esse fogo que me consome, / Pois sei que para ela não sou ninguém… / E nessa solidão que se tornou irreparável, / Não compreendo porque ainda insisto, / Dessa maneira confusa e irremediável, / Em sonhar com quem nem sabe que existo...” “São 5 letras apenas, / Mas duram toda uma vida / As inesquecíveis cenas / No instante da despedida… / Depois, não resta mais nada, / Exceto um aperto no coração / E uma longa e vazia estrada, / Que conduz direto à solidão...” “Um fogo dentro de mim crepita / Desde o dia em que nasci, / Em uma parte de mim que acredita / Que por algum motivo até hoje vivi… / Tanta gente vive atrás / Da pregação tonta de algum pastor; / Eu, vivo dentro de um sonho de Paz, / Que nasceu de um conto de Amor… / Nesta linda chama que vive acesa, / Alimenta-se a minha Poesia, / Que nela bebe e vive presa, / Nas asas da fantasia...” “Quantas lindas descobertas / Fiz contigo sob as cobertas! / Quantas lembranças eternas / Descobri entre as tuas pernas… / Foi tanta paixão represada / Nos amassos no topo da escada, / Foi tanto amor reprimido / Que às vezes ainda duvido / Que hoje estamos distantes, / E que aquele fogo de antes / Sucumbiu à primeira tempestade, / Deixando essa imensa saudade, / Essa tristeza atroz e infame, / Que, não importa como a chame, / Tem impresso o teu nome / E que para sempre me consome, / E tem gravada a tua assinatura, / Que meu infeliz coração costura / A essas noites sombrias, / Que durarão até o fim de meus dias...” “Nem sei te dizer o quanto / Com tua volúpia me espanto, / Quando me agarras / E soltas as tuas amarras, / Quando toco teu sexo encharcado, / Nessas nossas noites de pecado, / Quando te assanhas / E minhas costas arranhas,” “Essa escuridão ao teu redor / Vai te devorando aos poucos, / E vai ficando cada vez pior, / Como é privilégio dos loucos! / Esse horror tão intenso / Que te circunda / Gera o pavor imenso / Que te inunda...” “Como pode alguém ficar indiferente / A um sentimento que já tinha acontecido, / Que não queria mais ver pela frente, / A uma dor intensa que já tinha doído? / Como pode alguém simplesmente sobreviver / A uma reconciliação que foi tão demorada, / A um sentimento que pareceu renascer, / Mas outra vez se perdeu pela estrada? / Perdoe-me, mas não existe outra saída / Para esse amor que outra vez se desfez, / Para tentar refazer minha triste vida, / Sou obrigado a lhe dizer adeus outra vez...” “Enviamos naves mostrando que aqui há vida inteligente, / Mas fico na dúvida: será que existe mesmo? / O homem é um predador no qual a piedade é ausente, / Gastando seu tempo a extinguir espécies a esmo!” “Teu olhar me envenena / E me deixa meio pasmo, / A admirar essa linda cena, / Quando tens um orgasmo!”

Title:As Veredas Onde O Meu Olhar Se PerdeuFormat:Kobo ebookPublished:December 19, 2016Publisher:Clube de Autores

The following ISBNs are associated with this title:

ISBN:9990052420042

Look for similar items by category:

Reviews